Total de visualizações de página

sexta-feira, 9 de maio de 2014

EU QUERO A MINHA MÃE!

Figura 1

Carol e sua mãe estavam discutindo. Carol tinha 12 anos e queria levar uma vida parecida com a das colegas da escola.
– Mas mãe! A senhora é muito exigente! Eu queria ser como as minhas colegas. Elas saem, vão ao shopping sozinhas, passeiam e voltam tarde! E eu já tenho 12 anos!
  -Olha filhinha, você ainda é muito pequena, e se as suas amigas fazem essas coisas, fique sabendo que enquanto você for menor de idade e morar debaixo do meu teto, quem manda aqui, sou eu e o seu pai!
– Isso não é justo! Você só quer que eu faça o que você quer. E eu sou uma filha tão boazinha!
– Boazinha? A sua professora falou que você não esta nada bem em Matemática e Ciências. Quando lhe peco para lavar a louça você não obedece. Quando peço para você desligar a TV e dormir você fica resmungando quase uma hora. Você deve obedecer, não somente quando você quer, quando lhe é conveniente, porque isso não é obediência.
Carol pegou uma revista e se sentou muito contrariada; folheando-a disse para sua mãe:
- Ok, você esta certa, assim como você, eu não sou perfeita…
– Sabe de uma coisa Carol? É melhor ir trabalhar porque já estou atrasada, gostaria muito que você refletisse no que nós conversamos, você é uma filha de Deus que ama Jesus, e isso faz de você uma adolescente diferente, né?
Bem! filha, a louça precisa ser lavada e você tem que limpar o banheiro. E não abra a porta para estranhos, ok?

Figura 2

A mãe deu um beijo na filha e saiu para o trabalho. Carol ficou chateada, pegou a revista e sentou falando:
-Eu não vou fazer nada, pareço a domestica do lar! Como desejo ter outra mãe!!!! Não agüento mais esta vida!
De repente surgiu uma voz e disse: Desejo concedido!
Carol ficou apavorada, pulou da cadeira e perguntou com muito medo:
– Quem esta falando?
-Sou eu, a cumpridora de desejos de crianças. Quando vejo alguma criança aflita venho socorrê-la! Você não pode me ver, mas, eu posso cumprir os seus desejos.
-Não é possível! Devo estar ficando doente!
– Menina, deixe de perder tempo e faça o seu pedido. Você parecia tão desesperada que vim sem vacilar. Parece-me que ouvi algo sobre trocar de mãe?
– Sim, na verdade é isso mesmo, mas primeiro quero deixar algo bem claro: Eu não sou uma criança, já sou juvenil!
-Tudo bem! O que você quer?
  -Hummmm!!! Bom. Sim! eu quero trocar de mãe. Quero uma mãe legal, e moderna, que seja condescendente comigo. Quero que ela me deixe fazer tudo o que eu quero, que tenha muito dinheiro e me compre tudo o que eu gosto.
– Tudo bem, que aceite você fazer tudo que quiser e comprar o que você gosta. Desejo concedido!

Figura 3

Nesse momento entrou uma mamãe muito moderna e bonita. Carol mal podia acreditar no que via, então decidiu testar a nova mãe!
– Mamãe…
– Menina, não me chame assim! Você não esta vendo que gastei muito dinheiro em cirurgias plásticas e lipos para me tornar mais jovem e não quero que as pessoas saibam que já tenho uma filha tão velha. Cruzes! Eu sou jovem demais pra ser mãe!
-Perdoa-me, é que eu queria pedir licença para sair com as minhas amigas; a gente vai ao shopping; e preciso de dinheiro para comprar roupas e…
-Deixa-me ver…, sim. Esta aqui. toma. É um cartão de crédito, pode gastar o tanto que você quiser.
– Ah!! queria terminar de contar sobre aquela menina da escola que sempre quer brigar comigo…
Tocou o celular da mãe…
– Menina eu já dei o que você queria…, não tenho tempo pra ouvi-la. Ligaram-me do salão e tenho que ir para não perder a hora. Bye!!
Carol ficou arrasada.
– Essa não é a mãe que eu queria! Senhora cumpridora de desejos!! Socorrooooo!! Não quero essa mãe!!
-Menina – disse a voz – não grite desse jeito! O que aconteceu? Não gostou da sua nova mãe?
– Você deu uma exagerada né? Pedi uma mãe complacente. Mas, essa aí, não estava nem ai pra mim! Só queria saber de salão, unhas, plásticas, cabelos… Socorro! Quando tentei falar de um problema, ela não deu a mínima para mim.
– Então o que você quer?
- Eu queria uma mãe que fosse boa, que me desse muito carinho e me escutasse.
– Você tem certeza disso?
-Certeza!
Desejo concedido!

Figura 4

Entrou a nova mãe, e com um abraço apertado a cumprimentou, e a encheu de beijos e de palavras agradáveis.
– Carol, filhinha do meu coração, pedaço da minha vida, quanta saudade senti de você! – e a abraçou – Como você está minha vida? Conte-me como foi o seu dia na escola! Não se esqueça de nenhum detalhe, eu sou toda ouvidos! Fale minha linda!
Carol estava tentando se livrar dos amassos e apertos da nova mãe.
– Estou bem mamãe, eu queria sim, atenção, mas você esta me sufocando, estou ate sem ar!!
– Ooh! Perdoa-me, minha filha! – e pegando a revista começou a abanar a filha – O que você quer? Quer comer? Quer falar? Diga-me.
– Ah mamãe!! Deixe-me respirar!!!
_Você quer respirar? – começou a abanar de novo -
-Não mamãe! Não é isso. É que você está me esgotando com tantos apertos e perguntas.
-Você esta esgotada minha vida, minha flor? É melhor se deitar um pouquinho! Quer umas massagens nos pés? Venha, eu tiro o seu tênis!
– Não!! Você não entende mamãe? Sabe de uma coisa? Eu queria que você fosse ao supermercado comprar aquelas bolachas que eu gosto.
– Sim meu docinho de coco. Já tô indo. Você me espera? Não vai ficar com saudades, né?
Com cara de impaciência Carol respondeu:
-Não mamãe. Dou conta de esperar você voltar, pode ir tranqüila.
Carol ficou enjoada por tantos apertos, e gritou com todas as suas forças:
-Senhora do desejo das crianças! Cadê você? É tão difícil me dar o que peço?
-Mas minha querida, você falou que queria uma mãe boa, que lhe desse muito carinho e que a escutasse; o que mais você pode querer? Você é o centro da sua vida!
– Sim. Isso deu para ver de longe! Ela quase me espremeu em seus braços! Eu acho que a mãe deve ser um pouquinho mais firme! Eu quero que seja carinhosa sim, mas, que tenha autoridade, que saiba por em ordem a casa, entendeu?
– Ok menina, mas, deve ficar bem claro que estou dando o que você pediu!
Desejo Concedido!

Figura 5

Entrou então uma mãe com cara de poucos amigos. Ela olhou para Carol de longe e já foi gritando…
– Fica de pé, mocinha! Você quer comer alguma coisa?
Carol respondeu cheia de medo… – Sim…
-Assim não se responde; você deve falar: senhora, sim senhora!
-senhora, sim senhora. Respondeu Carol.
– A partir de hoje o almoço será as 13:00 h; nem um minuto antes nem um minuto depois, não haverá saídas para a rua depois das 20:00 h; a menos que eu vá com você. A televisão só ficará ligada das 17 as 18:00 h; o dever de casa será feito todos os dias; e as 20:00 h você já estará dormindo. Ficou claro para você?
– Senhora, sim senhora…, mas, eu não poderia dormir um pouquinho mais tarde e assistir mais televisão, e…
-Ordens são feitas para serem obedecidas, e não haverá mudanças até um novo aviso. E agora, pode limpar esta bagunça. Eu vou fazer umas compras e quando voltar, quero esta casa impecável; porque senão custara caro para você! Entendeu?
– Senhora, sim senhora.
Quando Carol ficou sozinha, soltou um forte grito:
Senhora, desejo concedido! Você está de brincadeira comigo, né? Você é oito ou oitenta!

Figura 6

- Mas eu dei tudo o que você queria e ainda assim fica brava!? O único que eu queria era que você enxergasse a mamãe que você tem em casa! Vejamos…
Sua mãe faz coisas que você gosta?
-Sim ela faz comidas deliciosas.
– Ela a ouve quando você esta com problemas?
– Sim, ela sempre me ouve, não somente quando estou com problemas, mas também quando quero jogar papo fora.
– Ela disciplina você?
-Sim, mas eu não gosto, não.
– Ninguém gosta, mas essas disciplinas nos fazem crescer dentro de limites, e nos tornam pessoas doces e gente de bom caráter; e disciplina é demonstração de amor. Quem ama disciplina.
– é! não tinha pensado nisso.
– Além disso, ela ama você, e ora por você todos os dias. Ela cria você nos princípios da Palavra de Deus. E talvez você não tenha sido uma filha obediente não acha?
– É! você tem razão! E estou muito arrependida. Eu quero também ser uma serva de Deus como ela, eu quero a minha mãe!!! EU QUERO A MINHA MÃE!!! EU QUERO A MINHA MÃE!!! EU QUERO A MINHA MÃE!!!

Figura 7

-Filha acorda!! É só um pesadelo! Eu estou aqui. Parece que você adormeceu depois de ler essa revista.
-Minha mamãe! Perdoa-me! eu tenho sido uma filha desobediente e não tenho dado o valor que você merece. Eu a amo muito, você é a melhor mãe do mundo, não trocaria você por nenhuma outra!
-Trocar? Do que você esta falando?
-Nada não! Sabe mamãe: hoje tomei o compromisso de ser uma verdadeira cristã! Igualzinha a você!
– Mas que benção minha filha! É a melhor noticia que poderia ter recebido! Eu a amo muito.
-Ah e me perdoa, não limpei nada!
– Não tem problema minha filha; vamos primeiro comer uma pizza gostosa que eu trouxe e depois a gente divide o serviço. Ok?
– Mamãe, você é a melhor mãe do mundo!!!!!!!!!!!!!!







Fonte: http://portalsementinhakids.com/datas-especiais/dia-das-maes/historia-ilustrada-dia-das-maes-eu-quero-a-minha-mae/

sexta-feira, 28 de março de 2014

História missionária

Na África

História extraída da revista argentina “El puentecito”. Ilustrada, traduzida e adaptada pela Pra Gabriela Pache de Fiúza. (revisão Maria da Graça Fabri)

FIGURA 1

O dia estava ensolarado na África, continente belo e distante de nós, que se encontra do outro lado do Oceano Atlântico. Lugar de esplendida natureza, formada por selvas e muitos bosques.
Um garoto chamado Chako, estava voltando para a tribo onde morava por um estrito caminho do bosque. Enquanto caminhava, pensava em tudo que aprendera com a Missionária na pequena “Missão” onde recebera Jesus como seu Salvador.
Recordava que enquanto estavam sentados debaixo de uma árvore, a Missionária leu um trecho da Bíblia que dizia: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.  Chako ficou muito sério e sem palavras quando ouviu esta porção da Palavra de Deus.
_ O que esta acontecendo com você, Chako? Perguntou à missionária.
_ Mas … como posso amar a Mbula? Ele sempre debocha de mim, me bate, faz brincadeiras cruéis comigo. Quando o vejo, meu dia acaba, se não fosse crente pegaria uma foto dele e encheria de agulhas para acabar com ele. Não! Eu não posso amar a Mbula.
_ Filho… -disse a missionária, com uma doce voz- Agora você tem Jesus no coração, deve orar por Mbula, falar do amor de Jesus para ele e começar a amá-lo.
_ Eu vou tentar Missionária. Respondeu Chako, engolindo em seco.
Enquanto caminhava no estreito caminho do bosque, Chako pensava em tudo isso, quando de repente ouviu um estranho assobio que interrompeu seus pensamentos. O assobio vinha de uma árvore. Assustado, Chako pensou:
_ Que pássaro será esse?

FIGURA 2

Chako foi seguindo o assobio, foi chegando cuidadosamente perto de uma árvore… quando de repente CRASH! Alguma coisa se quebrou debaixo dos seus pés e BRUMMMM!!
Chako caiu numa cilada, era um buraco que chegava até o pescoço, cheio de lama e lixo podre. Estava coberto com galhas e folhas, era uma cilada bem planejada.
Hahahahahahah!! – se ouviam as fortes gargalhadas de Mbula, enquanto descia da árvore.
_ Você e um verdadeiro tolo, um burro! Eu não vou à escola dos estrangeiros, mas sou mais esperto que você! Seu tolo! Hahahaha!
Sujo, todo machucado, dolorido e muito furioso Chako saiu do buraco.
_ Ah, Senhor Jesus! Como posso amar aquele sem vergonha? Ajuda-me, por favor!
Chako orava silenciosamente, até que com paciência disse para Mbula:
_  Mbula, amanhã quero que você venha comigo para a Escola Cristã da Missão. Quero que você conheça um livro muito especial que fala de…
Dizendo isto, Mbula deu meia volta e saiu muito bravo porque Chako não brigou nem fez nenhum escândalo. Ele queria se divertir vendo Chako brigar, mas não conseguiu e foi embora chateado.

FIGURA 3

Chako tinha uma cabra que era o seu orgulho, se nome era Pana. Pana dava um leitinho e queijos deliciosos para toda a família. Além disso, Pana era amiga de Chako, ele brincava muito com ela.
Um dia Pana desapareceu… Toda família começou procurá-la, mas não encontraram nem rastos dela. Chako estava desconsolado, saiu pelo bosque para dar a última volta em procura de Pana.
Chako gritava:
_ Pana! Cadê você amiga, Pana!
Mas nada. Porém quando retornava para casa ouviu um balido:
_ Baaa… baaaa!
Ouvindo esse balido, Chako começou a perseguir esse som, e para sua surpresa chegou à casa de Mbula e a cena que viu lá não foi nada agradável.
Para seu espanto, Mbula estava erguendo uma faca para matar Pana, sua querida e companheira cabra.
_ O que você esta fazendo? Vociferou Chako, enquanto pulava encima de Mbula com muita coragem para tirar dele a faca.
Mbula ficou parado sem saber o que fazer, diante dessa situação tão constrangedora.
Chako conseguiu resgatar Pana sua querida companheira.  Colocou-a em seus braços e saiu correndo em direção da sua casa orando em voz alta:
_ Oh, meu Senhor Jesus, eu não posso amar Mbula, me ajuda, por favor, Senhor! Toma conta desta situação para mim porque eu não consigo!

FIGURA 4

Nesse preciso momento Chako escutou um pranto as suas costas. Chako virou e olhou espantado, era Mbula que vinha após ele chorando desconsolado!
_O que aconteceu com você agora!  Perguntou Chako.
_ E que estou com muita fome! Meus pais me abandonaram há muito tempo e não tenho o que comer… por isso decidi matar Pana, eu queria comê-la, me perdoa…
O coração cristão de Chako ficou comovido:
_ Venha comigo Mbula! Na minha casa tem uma jantinha, vamos comer juntos!
_ E será que posso dormir com vocês?  Tenho medo da noite porque fico sozinho! Disse Mbula.
_ Com certeza, venha Mbula. Disse Chako.

FIGURA 5

E nessa noite, dentro de um lar cristão, tão diferente da sua casa, Mbula escutou por primeira vez a historia de um Deus que o amava. Ele não podia acreditar!
_ Ele me ama?
_ Sou um menino muito mau e estou cheio de maus espíritos, é impossível!
A família de Chako falou do amor incondicional de Jesus e Mbula recebeu Jesus no seu coração. Mbula pode sentir o amor de Jesus sendo derramado na sua vida. Então disse:
_Chako, algo muito bom está acontecendo comigo quero-te dizer que estou muito arrependido por tudo o que fiz com você.
Com lágrimas nos olhos disse:
_ Você me perdoa?
_ Sim, eu te perdôo em nome de Jesus!
Eles se deram um grande abraço, o milagre do grande amor de Deus tinha alcançado a Mbula.
Depois disso,  Mbula deitou e logo dormiu tranqüilo e contente.
Chako estava com o coração radiante de alegria e agradecido pelo milagre da restauração de Mbula, pelo amor que Deus havia derramado em seu coração por ele e pela vida dos Missionários, então se ajoelhou na beira de sua cama e orou:
_ Obrigado Jesus pelos missionários que nos ensinam o Verdadeiro Caminho, obrigado por me ajudar a amar a Mbula e por mudar o seu coração! Obrigado… eu te amo Jesus! Zzzzzzzzzzzzz.
Assim Chako dormiu com um coração grato e um grande sorriso no seu rosto. E a partir desse dia Chako ganhou um irmão e um grande amigo, Mbula!
Fonte: http://portalsementinhakids.com/historinhas-para-evangelizar/na-africa-historia-missionaria/






domingo, 23 de março de 2014

Lembrança para Páscoa


Não perturbe para páscoa

Para lembrar o verdadeiro sentido da páscoa,
Os olhos podem ser olhos móveis, pintados ou adesivos.








Fonte: tia Patrícia

segunda-feira, 17 de março de 2014

A Importância da EBD

Atenção: EBD - Valorize a Sua

O objetivo deste artigo é chamar a atenção para o valor e importância que devemos dar à escola dominical.
Fundada na Inglaterra pelo missionário Robert Raikes, em 1780, a escola dominical foi uma criação que deu certo. Tão certo que os primeiros missionários que aqui chegaram procuraram organizá-la imediatamente. O casal Robert e Sarah P. Kalley fundou a primeira escola dominical no Brasil em 19 de agosto de 1855. E a escola dominical existe até hoje!
Não é por acaso que a escola dominical existe até hoje. Ela é parte integrante da Igreja do Senhor Jesus Cristo, de quem temos a promessa de que "as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mt 16.18). A escola dominical é uma bênção de Deus com características próprias, isto é, por mais que uma pessoa participe dos cultos e das atividades da semana de sua igreja, tem coisa que só será aprendida na escola dominical.
Infelizmente não são poucas as pessoas que fazem opções em detrimento da escola dominical. Será que essas pessoas sabem o quanto estão perdendo? Pense bem: Ausentando-se da escola dominical quem perde as bênçãos de Deus é você. 

A ESCOLA DOMINICAL - E A RESPONSABILIDADE DO ALUNO 

O segredo de uma escola dominical dinâmica e eficaz depende, e muito, do aluno. E como deve ser o aluno da escola dominical? Qual o perfil do aluno ideal? Antes de respondermos essas perguntas, é importante dizer que por aluno ideal não nos referimos, propriamente, a um ser extraordinário: brilhante, gênio, super intelectual. Não, o aluno ideal é antes de tudo uma pessoa bem intencionada. Como assim? Ele é dedicado: Assíduo, pontual, responsável. Vai à escola dominical com prazer e não para dizer simplesmente "estou aqui", "cheguei" ou "agora o superintendente não vai pegar no meu pé". O verdadeiro aluno da escola dominical não pensa assim. Ele faz a lição de casa. Lê a Bíblia e sua revista; anota suas dúvidas e vem disposto a colaborar seriamente na sala de aula.
É lamentável quando o aluno vai à escola dominical sem ter estudado durante a semana; sem sua Bíblia e/ou sem revista. E olha que eu não estou falando dos pequeninos, e sim, de gente grande mesmo! Pode parecer grosseiro de minha parte, mas muitas vezes eu me ponho a pensar: "O que alguém que não leva Bíblia, revista (ou algo semelhante), e que não estuda em casa vai fazer na escola dominical?". Aprender? Duvido! Não se pode aprender quando o básico é menosprezado.
De uma coisa precisamos estar cientes: 50% ou mais do bom desempenho do professor numa sala de aula depende de seus alunos. É o que eu costumo dizer aos meus alunos, sem querer jogar sobre eles a responsabilidade que cabe a mim.
Quando o aluno não se prepara em casa, conforme já mencionamos acima, ele perde a oportunidade de contribuir com algo mais. Contribuindo ganha a classe e o professor também. Muitos dos alunos que ficam calados durante a exposição do professor cometem o erro (para não dizer "pecado") da negligência semanal. É preciso que você aluno reverta esse quadro se porventura está sendo negligente; pois quantas vezes a culpa de uma aula má dada recai sobre o professor quando na realidade o culpado é outro. É claro que o professor tem suas responsabilidades, como veremos adiante, mas nenhum professor, a menos que esteja doido, teria coragem de se colocar diante de uma classe sem que estivesse adequadamente preparado.
Seja professor, ou seja aluno, ambos devem fazer tudo para a glória de Deus.




A ESCOLA DOMINICAL - E A RESPONSABILIDADE 
DO PROFESSOR 

O bom professor é aquele que almeja a excelência do ensino e se empenha em alcançá-la. Tem que ser como o apóstolo Paulo exortou: "…o que ensina, esmere-se no fazê-lo" (Rm 12.7). Paulo recomenda àquele que ensina a dedicação total desse ministério. Dedicação que resultará num progresso constante do professor, quer seja em relação à habilidade no ensino e crescimento espiritual de seus alunos; quer seja em relação a sua própria vida cristã. 
O professor da escola dominical deve ser o primeiro a viver o que ensina. A classe nunca deve ser subestimada (muito menos a dos pequeninos). Ela saberá se o professor está sendo sincero no que diz. Como também saberá se o professor se preparou adequadamente para a aula. Fazer pesquisas de última hora e preparar a aula às pressas nunca dá certo. Quando o professor não se esforça para fazer o melhor, ele não apenas desrespeita seus alunos como peca contra Deus. 
Além de viver o que ensina, o bom professor conhece seus alunos. Ele nunca deve acreditar que basta, por exemplo, pegar a revista e ensinar o que está ali, por melhor que seja o seu trabalho de pesquisa. O professor da escola dominical deve conhecer a sua classe, cada um de seus alunos. É importante que o professor conheça seus alunos, até mesmo para uma transmissão mais natural e eficaz de sua aula. 
Quanto ao preparo e a exposição da aula propriamente dito, os editores dos Estudos Bíblicos Didaquê apresentam sugestões preciosas que ajudarão em muito os professores da escola dominical. Com ligeiras adaptações passo a transcrevê-las: 
· Utilizar sempre a Bíblia como referencial absoluto. 
· Elaborar pesquisas e anotações, buscando noutras fontes subsídios para a complementação das lições. 
· Planejar a ministração das aulas, relacionando-as entre si para que haja coerência e se evite a antecipação da matéria. 
· Evitar o distanciamento do assunto proposto na lição. 
· Dinamizar a aula sem monopolizar a palavra oferecendo respostas prontas. 
· Relacionar as mensagens ao cotidiano dos alunos, desafiando-os a praticar as verdades aprendidas.
· No final da aula, despertar os alunos quanto ao próximo assunto a ser estudado, mostrando-lhes a possibilidade de aprenderem coisas novas e incentivando-os a estudar durante a semana. 
· Depender sempre da iluminação do Espírito Santo, orando, estudando e colocando-se diante de Deus como instrumento para a instrução de outros. 
· Verificar a transformação na vida dos alunos, a fim de avaliar o êxito de seu trabalho. 
Duas coisas, pelo menos, têm levado muita gente a perder o interesse pela escola dominical hoje em dia, ou seja, a falta de criatividade do professor e dinâmica das aulas. Professor: Faça de sua aula algo interessante; seja criativo, gaste tempo nisso. Criatividade e dinamismo são, em boa parte, o segredo do sucesso do professor eficaz. 
É necessário que o professor da escola dominical veja seu trabalho como o ministério que Deus lhe deu e que, por isso mesmo, precisa ser realizado da melhor maneira possível. "… o que ensina, esmere-se no fazê-lo" (Rm 12.7).


A ESCOLA DOMINICAL - E A RESPONSABILIDADE DOS PAIS 

A responsabilidade dos pais crentes com a escola dominical é dupla. Em primeiro lugar, os pais precisam ser assíduos e freqüentes na escola dominical. Os pais que vão somente ao culto vespertino, achando que faltar na escola dominical não tem tanto problema, certamente deixarão de progredir como deveriam na vida cristã. A presença dos pais na escola dominical é imprescindível, pois, afinal de contas, nós pais somos (bem ou mal) modelos para os nossos filhos. 
Em segundo lugar, os pais precisam levar seus filhos à escola dominical. Gostaria de dar a esse segundo ponto uma atenção especial, visto que está diretamente relacionado ao anterior. Portanto, vamos entender a coisa da seguinte maneira: por que os pais precisam estar na escola dominical? De um lado, porque todos precisam aprender mais e mais das verdades do Senhor; por outro lado, por causa dos filhos. Perdoe-me a batida na mesma tecla mas isso é importante. Os filhos desejam e precisam ver nos pais a seriedade no trato com a escola dominical. E isso, por si só, deve ser motivo de reflexão para os pais , pois os pais precisam, pela vida e pela palavra, mostrar aos filhos que a escola dominical é um importante veículo de crescimento espiritual. 
Geralmente as crianças não apreciam levantar cedo para ir à escola dominical. Boa parte delas já faz isso durante a semana. Porém, os pais devem passar para os filhos que a escola de domingo também é especial por uma série de razões. Erra o pai ou a mãe que acha que não deve levar sua criança à escola dominical, apenas porque ela está cansada por estudar durante a semana, ou porque brincou demais no sábado ou foi dormir tarde por causa daquela festa na igreja. Esse é um tipo de compaixão que não procede. É nessa hora que os pais, amigavelmente, devem mostrar aos filhos que a escola dominical é especial para toda a família. 
Lembro-me de um fato ocorrido em uma igreja da qual fui pastor. Quando perguntei a uma irmã porque não trouxe o filho, que na época devia ter cinco anos de idade, ela me respondeu: "Ele não quis vir". Eu não sei como está ou por onde anda aquele que agora é um rapaz. Receio que ele tenha seguido o caminho de seus irmãos mais velhos que abandonaram a igreja porque a mãe comodamente aceitava o fato de que eles não quiseram vir. 
Papai e mamãe, levem seus filhos à escola dominical, tenham eles vontade ou não. Cumpram as suas responsabilidades como um dia prometeram a Deus quando levaram seus filhos para serem batizados ou apresentados. Pois, como no caso daquela mãe, amanhã poderá ser tarde de mais para chorar o que podia ser evitado ontem.


A ESCOLA DOMINICAL - E A RESPONSABILIDADE DO SUPERINTENDENTE 

O superintendente da escola bíblica dominical é muito mais que uma simples pessoa que faz a abertura e encerramento da escola dominical e promove a comemoração de algumas datas importantes e eventos especiais. O superintendente ou diretor(a) da EBD é o irmão ou irmã em Cristo designado(a) pela igreja para administrar a escola dominical com competência e seriedade, visando a edificação e a maturidade do corpo de Cristo. 
Antes de tudo, o superintendente deve ser alguém verdadeiramente compromissado com Deus e a igreja. Deve ser exemplo dos fiéis, não neófito, mas pessoa qualificada para comandar o corpo de Cristo. Deve ser assíduo e pontual no cumprimento de seus deveres, irrepreensível na moral, são na fé, prudente no agir, discreto no falar e exemplo de santidade de vida. Qualidades que devem acompanhar, no mínimo, todo crente, e principalmente aquele que recebeu a graça da liderança; a saber: pastor, presbítero, diácono, professor, etc. 
Além disso, o superintendente deve ser uma pessoa preparada academicamente. Destaco a palavra "academicamente" de propósito. O que isso quer dizer? Quer dizer que o superintendente não precisa necessariamente ser um expert em educação cristã, mas precisa ter noção do que ela significa e representa. Afinal de contas, é com professores que o superintendente está lidando e é a qualidade do bom ensino que ele estará supervisionando. Pensando nisso, um experiente diretor de escola dominical escreveu aos superintendentes: "Os seus professores ensinam com qualidade? Ou estão se repetindo diante da classe? Preparam devidamente a lição, ou já se acostumaram aos improvisos?". E continua: "Que os seu professores não se contentem com o preparo já conseguido. Incentive-os a ler, a estudar, a pesquisar, a descobrir novas metodologias, a se tornarem especialistas não apenas no currículo e na aula a ser ministrada, como também na pedagogia e na didática". 
Como eu disse, o superintendente não precisa ser um especialista, mas é necessário que tenha algum conhecimento pedagógico. Se tiver experiência como professor, melhor ainda. 
Some-se a isto a visão do superintendente. Se o superintendente pensar administrativa e pedagogicamente, o que é ideal, ele não apenas saberá conduzir a igreja bem, no sentido de unidade de propósitos, mas também zelará pelo aperfeiçoamento de seus professores. Promoverá encontros, congressos e uma série de eventos que ajudarão na formação e reciclagem dos professores. 
O superintendente é o carro-chefe da escola dominical que, em comum acordo com o pastor, melhorará toda a escola dominical quando melhorar seus professores. Quando se investe na liderança da escola dominical todo mundo sai ganhando. 
Finalmente, mas não menos importante, o superintendente precisa ser dinâmico a fim de dinamizar sua escola dominical. Para isso precisa se atualizar e se inteirar do trabalho de outros superintendentes. Deve ser uma pessoa inovadora, com idéias saudáveis que revigoram a escola dominical. Eu acredito na escola dominical porque, como dissemos no início deste artigo, é uma bênção de Deus e por isso deu certo. Entretanto, a escola dominical precisa passar por um processo constante de revitalização. Meu irmão superintendente: torne a sua escola dominical dinâmica, criativa, bíblica e funcional. Algo que dá gosto de se vê e participar. Promova, juntamente com seu pastor e professores, o vigor e a saúde da escola dominical através da motivação de seus alunos. Evite a rotina, a monotonia e aquela mesmice insuportável. As aulas da escola dominical devem ser prazerosas. Da criança ao adulto que levantam cedo para ir à igreja, a escola dominical deve ser algo que valha a pena por causa do conteúdo e didática do ensino e (por que não?) por causa do agradável local de estudo. Olhe com carinho para tudo isso e Deus, com certeza, o recompensará.


A ESCOLA DOMINICAL - E A RESPONSABILIDADE DO PASTOR 

Como ministro do evangelho, sei que não são poucas e nem pequenas as responsabilidades do pastor. Comecemos com algumas de suas atribuições. Compete ao pastor: orar com o rebanho e por este; apascentá-lo na doutrina cristã; exercer as suas funções com zelo; orientar e superintender as atividades da igreja, a fim de tornar eficiente a vida espiritual do povo de Deus; prestar assistência pastoral; instruir os neófitos, dedicar atenção à infância e à mocidade, bem como aos necessitados, aflitos, enfermos e desviados; governar. 
Escrevendo aos efésios, diz o grande pastor e apóstolo Paulo: "E ele mesmo (Jesus) concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo, para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro, e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro" (Ef 4.11-15). 
Pelo que podemos perceber das atribuições e vocação do pastor, o ensino (no mais amplo sentido do termo) é a característica prioritária do ministério pastoral. O zelo e a responsabilidade doutrinária do pastor o tornam necessariamente ligado à escola dominical. Ele é o superintendente ex-officio da escola dominical. Por isso mesmo, ao pastor nunca jamais deve faltar a informação necessária acerca do que está sendo ensinado na escola dominical. Para isso, o superintendente deve ser seu maior aliado. Um verdadeiro braço direito na condução da igreja. O superintendente que não estiver disposto a andar com o seu pastor não conseguirá promover a paz e a unidade no corpo de Cristo. Enfim, o pastor precisa saber o que os professores ensinam ao seu rebanho, quem ensina e como se ensina. Esta informação ele adquirirá primeiramente com o superintendente e através das constantes reuniões com o conselho de ensino. 
O pastor deve ser um verdadeiro conselheiro no meio de seus auxiliadores. Diálogo é fundamental. É imprescindível que o pastor e a liderança da escola dominical falem uma só língua e se ajudem mutuamente, conforme recomenda Paulo em 1 Coríntios 1.10: "Rogo-vos, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que faleis todos a mesma cousa, e que não haja entre vós divisões; antes sejais inteiramente unidos, na mesma disposição mental e no parecer". A escola dominical agradece! 
]Ademais, pela experiência e formação pastoral que tem, o pastor precisa estar atento às carências de seus professores e superintendente. Ele deve zelar pelo aprimoramento de sua escola dominical investindo pesado em sua liderança. Precisa indicar e sugerir bons livros, mostrando a importância e valor da leitura. Também, é necessário que o pastor incentive a sua liderança a participar de e a promover eventos educacionais. Acredite: O pastor é a chave que abre a porta do sucesso da escola dominical. Se você, pastor, tiver visão pedagógica, além de administrativa é claro, ninguém segurará sua escola dominical. O Espírito Santo gosta de pessoas assim e quer usar pessoas assim. 
Além disso, é necessário que o pastor tenha propósitos permanentes e bem definidos para a escola dominical. Quais devem ser os objetivos do pastor para a escola bíblica dominical? São basicamente estes: 1) promover a edificação da igreja na Palavra para o serviço, 2) ganhar vidas para Cristo e discipulá-las e 3) formar líderes capacitadores. 
Que Deus nos ajude.


Rev. Josivaldo de França Pereira – Pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil (I.P.B.) em Santo André – SP. Bacharel em teologia pelo Seminário Presbiteriano Rev. José Manoel da Conceição (J.M.C. – SP), Licenciado em filosofia pela F.A.I. (Faculdades Associadas Ipiranga – SP) e mestrando em missiologia pelo Seminário Teológico Sul Americano (S.T.S.A.) em Londrina – PR.

Fonte:http://amoremensinar.blogspot.com.br/search/label/lideran%C3%A7a

O verdadeiro significado da Páscoa

Jesus: a verdadeira páscoa

A Páscoa é uma das datas comemorativas mais importantes do nosso calendário. Atualmente, tornou-se uma data tão comercial, que poucos lembram ou conhecem seu verdadeiro significado. Para além dos chocolates e presentes, a CPAD - editora cristã - reforça a origem do termo, que remonta a aproximadamente 1.445 anos antes de Cristo.
Para contextualizarmos, neste período, de acordo com a Bíblia, os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó viviam como escravos há mais de quatrocentos anos no Egito. A fim de libertá-los, Deus designou Moisés como líder do povo hebreu (Êxodo 3-4). 
Em obediência ao Senhor, Moisés dirigiu-se a Faraó a fim de transmitir-lhe a ordem divina: “Deixa ir o meu povo”. Para conscientizar o rei da seriedade da mensagem, Moisés, mediante o poder de Deus, invocou pragas como julgamentos contra o Egito. 
No decorrer de várias dessas pragas, Faraó concordava deixar o povo ir, mas, a seguir, voltava atrás, uma vez a praga sustada. Soou a hora da décima e derradeira praga, aquela que não deixaria aos egípcios nenhuma outra alternativa senão a de lançar fora os israelitas: Deus mandou um anjo destruidor através da terra do Egito para eliminar “todo primogênito... desde os homens até aos animais” (Êx.12.12). 


A primeira Páscoa 

Como os israelitas também habitavam no Egito, o Senhor emitiu uma ordem específica a seu povo. A obediência a essa ordem traria a proteção divina a cada família dos hebreus, com seus respectivos primogênitos. Cada família tomaria um cordeiro macho, de um ano de idade, sem defeito e o sacrificaria. Famílias menores podiam repartir um único cordeiro entre si (Êx. 12.4). 
Os israelitas deviam aspergir parte do sangue do cordeiro sacrificado nas duas ombreiras e na verga da porta de cada casa. Quando o destruidor passasse por aquela terra, ele não mataria os primogênitos das casas que tivessem o sangue aspergido sobre elas. Daí o termo Páscoa, do hebreu pesah, que significa “pular além da marca”, “passar por cima”, ou “poupar”. 
Assim, pelo sangue do cordeiro morto, os israelitas foram protegidos da condenação à morte executada contra todos os primogênitos egípcios. Deus ordenou o sinal do sangue, não porque Ele não tivesse outra forma de distinguir os israelitas dos egípcios, mas porque queria ensinar ao seu povo a importância da obediência e da redenção pelo sangue, preparando-o para o advento do “Cordeiro de Deus,” Jesus Cristo, que séculos mais tarde tiraria o pecado do mundo (Jo. 1.29). 
De acordo com a Bíblia, no livro de Êxodo, capítulo 12, versículo 31, naquela mesma noite Faraó, permitiu que o povo de Deus partisse, encerrando assim, séculos de escravidão e inaugurando uma viagem que duraria quarenta anos, até Canaã, a terra prometida.
A partir daquele momento da história, os judeus celebrariam a Páscoa toda primavera, obedecendo as instruções divinas de que aquela celebração seria “estatuto perpétuo” (Êx. 12.14). Era, porém, um sacrifício comemorativo, exceto o sacrifício inicial no Egito, que foi um sacrifício eficaz.
Libertação
Assim sendo, lembremos, não somente nesta data, mas em todos os dias, o verdadeiro significado da Páscoa. Assim como o Todo Poderoso libertou os hebreus da escravidão no Egito, Deus quer nos libertar da escravidão do pecado e por isso, enviou seu Filho, Jesus Cristo, para que “todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. (Jo. 3.16) Vida esta conquistada com sangue “porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós.” (I Co 5.7)  

Fonte: CPAD - http://amoremensinar.blogspot.com.br/2011/04/o-verdadeiro-significado-da-pascoa.html

quinta-feira, 13 de março de 2014